Rosa de Papel I

“Não sei se respondo ou se pergunto.
Sou uma voz que nasceu na penumbra do vazio.
Estou um pouco ébria e estou crescendo numa pedra.
Não tenho a sabedoria do mel ou a do vinho.
De súbito ergo-me como uma torre de sombra fulgurante.
A minha ebriedade é a da sede e a da chama.
Com esta pequena centelha quero incendiar o silêncio.
O que eu amo não sei. Amo em total abandono…”

António Ramos Rosa, excerto do poema “Uma voz na pedra”

rosa-de-papel-1

rosa-de-papel-2

rosa-de-papel-3

rosa-de-papel-4

rosa-de-papel-5

“Rosa de Papel – uma flor para António Ramos Rosa”

Conceção coreográfica e interpretação de Luiz Antunes e Catarina Câmara

© fotografias: Magda Fernandes, 2006

 

Leave a Reply