Processos Alternativos – Papel Salgado – Albumina

voltar

Oficina de Papel Salgado

18 de fevereiro | 10:30 – 14:30 | Inscrições | ESGOTADA

Duração: 4 horas

Preço: 45 euros

Local: Rua 2 da Matinha, Lote A, 5º D, Lisboa

Formadores: Magda Fernandes e José Domingos

A invenção deste processo, que reúne uma série de descobertas científicas desenvolvidas por diversas personalidades ao longo de décadas, é atribuída a William Fox Talbot, por ter sido ele o responsável por juntar todas as peças do puzzle até obter um dos primeiros processos de impressão fotográfica da história.
As imagens impressas em papel salgado podem ir de um castanho avermelhado a um cinza púrpura, e têm geralmente um aspeto suave, e pouco contrastado, impresso diretamente nas fibras do papel.

Oficina de Albumina

Datas a anunciar| 10:30 – 14:30 | Inscrições

Duração: 4 horas (por oficina)

Preço: 45 euros (preço por oficina)*

*inscrição nas duas oficinas 80 euros

Local: Rua 2 da Matinha, Lote A, 5º D, Lisboa

Formadores: Magda Fernandes e José Domingos

A invenção deste processo é atribuída a Louis Désiré Blanquart-Evrard, e é uma evolução natural do processo do papel salgado. O princípio químico é o mesmo – a mistura, em dois passos distintos, de cloreto de sódio e nitrato de prata, sobre o papel, para a precipitação do cloreto de prata, composto fotossensível.
No entanto, o uso de claras de ovo em vez de água para a solução de cloreto de sódio cria uma película sobre o papel que não permite que o nitrato de prata seja absorvido pelas fibras do papel, mantendo a imagem à superfície, permitindo um resultado com mais detalhe e contraste, e um grau variável de brilho.
A maioria das imagens fotográficas impressas na segunda metade do século XIX foi impressa em Albumina, sendo que este foi o processo que começou a impulsionar a verdadeira industrialização da fotografia.